História do Voo Livre

História: Durante anos o homem sonhou em alcançar os ares, graças a iniciativa de um brasileiro, o sonho aeronáutico iniciou com uma ilimitada fase de emoções.

Porém para muitos, este sonho tem um custo elevadíssimo, mas a vontade de estar livre, caindo, saltando, ou voando, nunca deixou nossa mente, desde uma criança que sonha em ser o super-homem, ou num adulto que deseja ver e estar nas alturas. Com o passar dos anos vários “super-homens” se aventuraram em tecnologias e adrenalina para alcançar isto em custos menores, surgindo o paraquedas e depois de alguns anos a Asa Delta e o Paraglider.

Começa ai a nova fase do Voo tão sonhado. Com possibilidades ainda não exploradas até sua exaustão. Pilotos, profissionais e até esportistas tem quebrado recordes pessoais, nacionais e internacionais, provando que o homem tem a capacidade de voar,

 

mesmo que seja pendurado em um tecido com linhas, como dizem muitos. Mas o Paraglider e a Asa Delta proporciona um prazer visual e mental que só mesmo quem já voou poderia saber. Explicar é tão complicado quanto dizer que o prazer que, um passáro tem no seu voo. Muitos anos pensavamos que um pássaro voava por necessidade (locomoção, fugir de um predador, etc..), mas a realidade que muitos deles têm o prazer no voo, nós pilotos que vemos muitos desses, o próprio urubu, fazendo um lift (voo de sustentação em encosta) ou em térmicas (voo de exploração e aproveitando bolhas de ar quente que se movem na atmosfera) realizando um voo de curtição, sem o objetivo claro de fuga de predador ou caça, ou até mesmo de locomoção.

 

 

 

Pensando também nestes pássaros sem asas (nossa familia e amigos), surgiu equipamentos preparados para
o voo duplo (com passageiro), onde o mesmo, não precisaria investir tanto assim, para saber e poder sentir o prazer tão dicífil de explicar em palavras, se não houver muita excitação e animo para entendê-lo.

Hoje temos aqui no Espírito Santo profissionais que vivem do esporte, não só como um momento de lazer, mas como uma ferramenta que proporciona a muitos o prazer do voo livre e a iniciação no mesmo.

 

Quando contratarmos o serviço de duplo, devemos ficar atentos aos deveres e obrigações de cada lado, então fique atento.
O profissional deve ser habilitado pela FCVL, em dia com as obrigações com a Federação

e Associação. Porque assim, prova que o mesmo está apto com as atividade de voo, porque está sempre em contato com pilotos locais, participando de voos compartilhados nas rampas do Espírito Santo.

Desejo a você um bom voo, e nos vemos no ar.

 

Zenilson Rocha

MSN/Email: zenilsonrocha@hotmail.com

Fones: (27) 99881.9130 (vivo/whatsapp)

Habilitado: Nivel 4 / Instrutor (ABVL Registro 15134)

Facebook: http://www.facebook.com/zenilsonvooduplo

 

Respostas dos Passageiros:

Nossa! Eu nunca imaginei que era tal legal voar, se soubesse já teria feito antes.

…Perguntas:

Zenilson, estamos muito alto e está frio, mas mesmo assim a visão é perfeita, e adrenalina é demais, gostei tanto que vou fazer o curso.

O que você está achando do voo? Sentiu medo? tá com frio ou quer que eu vá para o pouso?